ver novamente

As piscinas naturais do Nordeste

Conheça o maior navio que já navegou em águas brasileiras. Cruzeiro reúne quase cinco mil pessoas e oferece diversas atividades

Redacao |

Águas praticamente transparentes e pontuadas por peixinhos coloridos fazem das piscinas naturais do Nordeste verdadeiros aquários a céu aberto. Como são rasas, você só precisa de máscara e snorkel para contemplar todos os encantos que vivem nos corais. E relaxar na água morninha e sem correnteza.

 

Uma dica: como as piscinas são formadas na maré baixa, fique de olho na tábua das marés antes de sair para o passeio. Nas luas cheia e nova, as águas ficam ainda mais cristalinas.

À beira da praia ou em alto mar, reunimos piscinas naturais de cinco Estados nordestinos, que merecem um demorado mergulho.

Porto de Galinhas – Pernambuco

34

Jangadeiros levam os turistas até as piscinas naturais de Porto de Galinhas

As piscinas naturais são o principal cartão postal de Porto de Galinhas. Assim que o visitante dá um tchibum nas águas morninhas, dezenas de peixinhos azuis, vermelhos, amarelos dão as boas vindas. Elas deram fama ao vilarejo, localizado no sul de Pernambuco, que recebe meio milhão de turistas por ano.

Você pode ir nadando até as piscinas, mas perderia o divertido passeio de jangada. No percurso, o jangadeiro mostra a mais famosa de todas, que ganhou o apelido de “Mapa do Brasil” por causa do formato.

Como chegar: 
O passeio de jangada custa, em média, R$ 15 por pessoa. Procure os jangadeiros na Praia de Porto de Galinhas em frente às piscinas naturais

 

- Leia também: O melhor de Porto de Galinhas 

 

Maragogi – Alagoas

35

Peixinhos coloridos e corais podem ser vistos no snorquel ou no mergulho com cilindro

A cor azul-turquesa da água, os recifes coloridos e a diversidade de peixes deram à Maragogi o título de “Caribe brasileiro”. As piscinas naturais, aqui chamadas de galés, são cercadas por extensas barreiras de corais – uma das maiores do mundo. Com um mar quase transparente, é possível até ver os corais mesmo estando fora da água.

Catamarãs deixam o litoral em direção aos arrecifes em alto mar, a seis quilômetros da praia. As galés são rasinhas e bastam máscara e snorkel para apreciar peixes, moluscos, esponjas e crustáceos que vivem nos corais.

Como chegar: 
O passeio de lancha custa R$ 50 por pessoa no Restaurante e Receptivo Frutos do Mar. Telefone: (82) 3296-1403 / (82) 9651-5252

 

- Leia também: Maragogi: mergulho no Caribe brasileiro

Picãozinho – Paraíba

36

As piscinas naturais de Picãozinho são um enorme aquário a céu aberto

A praia de Tambaú, em João Pessoa, é o ponto de partida para as piscinas naturais de Picãozinho, a cerca de 1,5 quilômetro da costa. Enquanto o barco deixa o litoral, se tem uma bela vista da orla da capital paraibana e da Estação Cabo Branco, um prédio em formato hexagonal projetado por Oscar Niemeyer que abriga um conjunto cultural.

Nesse enorme aquário a céu aberto, do tamanho de um campo de futebol, cardumes de peixinhos coloridos nadam nas reentrâncias dos arrecifes de corais. E é bem diversificado: sargentinho, neon, mero, grama, zumbi e tubarão-lixa. Tem estrelas do mar, tartarugas-de-pente. Se tiver sorte, botos cinza e peixes-boi marinhos podem aparecer nas redondezas.

Como chegar: 
O passeio de catamarã custa R$ 35 por pessoa na Maresia Turismo. Inclui snorkel e máscara. Telefone: (83) 8801-8773


Taipu de Fora – Bahia

37

Taipu de Fora tem cristalina água azul-turquesa

Águas clarinhas, belos corais e peixes de todas as cores são um convite irresistível ao mergulho. A piscina natural fica bem perto da praia de Taipu de Fora, a mais famosa da Península de Maraú, no sul da Bahia. O grande aquário de quase um quilômetro de largura reflete na água azul-turquesa os coqueirais, que dividem a areia e a mata.

No verão, os mergulhos são feitos à noite com lanternas, para observar a fauna marinha que se esconde nos labirintos dos arrecifes. Para chegar até a praia de Taipu, é preciso seguir por trilhas pela mata ou alugar um jipe. Mas ter todo aquele pedaço de paraíso praticamente só para você, compensa – e muito.

Como chegar: 
Ao contrário da maioria das piscinas naturais do Nordeste, as de Taipu de Fora ficam à beira-mar e não é necessário transporte de barco.


Maracajaú – Rio Grande do Norte

38

Nos parranchos também dá para mergulhar com cilindro para ver os corais

Santuário submarino, os recifes se estendem por mais de dez quilômetros em alto mar. Chamados de parranchos, eles abrigam centenas de espécies de peixes – e ainda crustáceos, moluscos, estrelas do mar e algas.

Como os corais ficam submersos, entre um e quatro metros de profundidade, máscara e snorkel são imprescindíveis. Os sete quilômetros de distância da praia são feitos a bordo de lanchas ou catamarãs confortáveis, que oferecem petiscos e bebidas. Para quem quiser mergulhar mais fundo, as embarcações oferecem equipamentos.

Como chegar: 
O passeio de lancha custa R$ 80 na Maracajaú Diver. Inclui snorkel e máscara. Telefone: (84) 3223-6866

** O iG Viagens não se responsabiliza pelos preços divulgados, sugerimos confirmar preços com agências e operadoras de viagens

 

 

 

 

 

 

Escolha seu próximo destino

Notícias Relacionadas


iG Viagens no Facebook

Comentários (0)

Antes de escrever seu comentário, lembre-se:o iG não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *