ver novamente

Um passeio pela fábrica da primeira cerveja pilsen do mundo

A 90 km de Praga, produção da Pilsner Urquell pode ser acompanhada. Visita inclui degustação de cerveja única

Carol Gregnanin , de Praga |

Com 170 mil habitantes, Plzen, na República Checa, seria mais uma cidade do interior não fosse a casa de um dos maiores símbolos do país, a cerveja Pilsner Urquell. Criada no século 19, ela foi a primeira cerveja do tipo pilsen a ser produzida e, atualmente, inspira dois terços das bebidas deste estilo em todo o planeta. Sua fábrica está aberta a visitação e fomos ver de perto o processo desde o grão de cevada até o líquido pronto para beber.

Plzen está a cerca de90 quilômetrosde Praga, a capital checa. A fábrica da Pilsner Urquell fica logo na entrada da cidade, uma imponente construção que ocupa9 quilômetrosquadrados. Foi conservado o portão original do lugar, um belo pórtico que está lá desde 1842.

Mais: O melhor de Praga em um dia

 

A visita começa pelo final. É possível acompanhar o processo de engarrafamento da cerveja, assim como latinhas sendo cheias. As garrafas reaproveitáveis passam por um ciclo de lavagem e esterilização que demora 23 minutos. Em seguida, uma máquina verifica se não há algum tipo de avaria. Só então elas são liberadas para receber líquidos, rótulos e tampinhas novas.

O passo seguinte da visita é o espaço antigo das caldeiras, usadas para misturar os ingredientes. Entre 1931 e 2004 eram usadas cinco caldeiras para completar o processo. Desde 2004 são necessárias apenas duas cubas gigantes. Todas elas são fechadas e não dá para ver nada dentro delas, o que pode ser frustrante.

A partir daqui, pode-se ver de perto uma exposição dos ingredientes da cerveja, basicamente água, cevada e lúpulo. Este último, cultivado em vastos campos da República Checa, é o responsável pelo sabor único da cerveja deste país.

Mais: O be-a-bá da harmonização com cervejas

Dezenas e dezenas de barris e tonéis fermentam a cerveja nos porões

Dezenas e dezenas de barris e tonéis fermentam a cerveja nos porões

Porões gelados

Aqui começa a parte mais interessante da visita, quando descemos aos porões da fábrica. São 32 mil metros quadrados a100 metrosdebaixo do solo com temperatura entre 7 e 8 graus Celsius durante todo o ano. Antigamente a temperatura era mantida com a ajuda do mau tempo. Funcionários passavam dias varrendo a neve para buracos enormes dentro dos porões. Hoje, a temperatura é mantida artificialmente.

Dezenas e dezenas de barris e tonéis fermentam a cerveja nos porões. O líquido fica ali por até 30 dias para chegar ao ponto ideal para o consumo. O ápice da visita é o final, quando é oferecido um copo da cerveja tirado diretamente dos barris do porão. Ela não está filtrada ou pausterizada e o gosto é forte, cremoso, único.

É importante dizer que a cerveja produzida nos porões não é comercializada desde 1992. Atualmente ela serve apenas para ser degustada pelos turistas. Se o passeio pela fábrica não é lá essas coisas, os porões e a degustação valem todo o tempo gasto.

Números

- A fábrica da Pilsner Urquell funciona 24 horas por dia na primavera e no verão. Os funcionários trabalham em três turnos para garantir a reposição dos estoques no mundo todo.

- A capacidade máxima da fábrica é de 2 milhões de garrafas por dia.

- Os tanques usados para fermentar a cerveja tem capacidade de 4.800 litros.

- Seis meses é o tempo máximo que dura uma garrafa ou lata da cerveja sem perder o sabor.

- As cervejas fabricadas em Plzen são exportadas para 50 países.

- A temperatura ideal para saborear a Pilsner Urquell é de 7 graus. Se baixar de 6 ou passar de 8, o sabor se altera.

- A cidade de Plzen está no Guinness Book pelo maior número de pessoas brindando juntas. Foram 10 mil gritos de “Na-zdravi” (saúde) ao mesmo tempo.

- Três cópias da fórmula da Pilsner Urquell estão guardadas em bancos de três cidades, Plzen, Praga e Londres.

* A jornalista viajou a convite da Lufthansa e Secretaria de Turismo de Praga

Leia também:
- Um tour gótico pela Itália 
- Paris pela primeira vez

Escolha seu próximo destino

Notícias Relacionadas


iG Viagens no Facebook

Comentários (0)

Antes de escrever seu comentário, lembre-se:o iG não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *